Inicio » , , » Light Steel Frame (LSF) - Passo-a-passo de como montar - Manual!

Light Steel Frame (LSF) - Passo-a-passo de como montar - Manual!


Aprenda todo o processo de montagem e instalação do sistema Light Steel Frame ou LSF.
O Light Steel Framing (LSF), assim conhecido mundialmente, é um sistema construtivo de concepção racional, que tem como principal característica uma estrutura constituída por perfis de aço galvanizado formados a frio que são utilizados para a composição de painéis estruturais e não estruturais, vigas secundárias, vigas de piso, tesouras de telhado e demais componentes. Por ser um sistema industrializado, possibilita construção a seco com grande rapidez de execução.

Esse sistema é indicado para uso em residências unifamiliares térreas ou sobrados, edifícios de até 8 pavimentos, hotéis, edifícios da área de saúde, clínicas, hospitais, comércio em geral, creches, edifícios para educação e ensino, fachadas de edifícios em geral incluindo os de grande altura, retrofit e ampliações de edifícios existentes.


Quer saber as vantagens e desvantagens do LSF, ACESSE AQUI.

Métodos de montagem do Light Steel Frame:
Os métodos de construção e montagem de edificações em LSF variam de acordo com o projetista e a empresa construtora. Quanto maior o nível de industrialização proposto pelo projeto, maior é a racionalização empregada no processo de construção, podendo-se atingir um patamar de alto grau de industrialização da construção civil, no qual as atividades no canteiro se resumem à montagem da edificação através do posicionamento das unidades e sua interligação.
De forma geral, existem 3 métodos para a construção de edificações em LSF:

1. Stick: os perfis são cortados no canteiro da obra. Painéis, lajes, coluna, contraventamentos e tesouras de telhado são montados no local. Os perfis podem vir perfurados para a passagem das instalações elétricas e hidráulicas. Os demais subsistemas são instalados posteriormente à montagem da estrutura. Esta técnica é usada quando a pré-fabricação não é viável.

2. Modular: é um processo altamente industrializado e caracteriza- -se pelo uso de unidades modulares completamente pré-fabricadas que podem ser entregues no local da obra com todos os acabamentos internos prontos: revestimentos, louças sanitárias, bancadas, mobiliários fixos, metais, instalações elétricas e hidráulicas etc. As unidades podem ser estocadas lado a lado, ou uma sobre as outras já na forma da construção final. Esse método é vantajoso principalmente em obras maiores onde há grande repetição dos módulos.

3. Painéis: painéis estruturais ou não, lajes e tesouras de telhado podem ser pré-fabricados fora do canteiro ou no próprio local da obra. A confecção dos componentes é realizada em mesas especiais de trabalho com a orientação dos projetos estruturais. Quanto maior a organização das atividades melhor a qualidade e precisão dos componentes. Oficinas externas, preparadas para a atividade, apresentam ambiente, equipamentos e organização muito mais apropriados. 


Contudo, é possível também estabelecer um local para a fabricação dos componentes na própria obra, porém isso vai depender da disponibilização de espaço e mão de obra qualificada. No Brasil, o método de construção por painéis é o mais amplamente utilizado, pois melhor se adaptou à cultura das empresas.

PASSO-A-PASSO pelo método de painéis:


1- Fundação

Por ser muito leve, a estrutura de LSF e os componentes de fechamento exigem bem menos da fundação do que outras construções. A escolha do tipo de fundação vai depender, além da topografia, do tipo de solo, do nível do lençol freático e da profundidade de solo firme. 

As fundações são efetuadas segundo o processo da construção convencional e como em qualquer outra construção deve-se observar o isolamento contra a umidade. A qualidade final da fundação está intimamente ligada ao correto funcionamento dos subsistemas que formam a construção. Assim, uma base corretamente nivelada e em esquadro possibilita maior precisão de montagem da estrutura e demais componentes do sistema.

A laje radier é a fundação mais comumente utilizada para construções em light steel framing. O radier é um tipo de fundação rasa que funciona como uma laje e transmite as cargas da estrutura uniformemente para o terreno. Os componentes estruturais fundamentais do radier são uma laje contínua de concreto, e eventuais reforços.

2- Fixação dos painéis à fundação
Para evitar o movimento da edificação por causa da pressão do vento, a superestrutura deve ser firmemente ancorada na fundação. A escolha da ancoragem mais eficiente depende do tipo de fundação e das solicitações que ocorrem na estrutura. O tipo de ancoragem, suas dimensões e espaçamento são definidos segundo o cálculo estrutural. 

Os tipos mais utilizados de ancoragem são a química com barra roscada e a expansível com chumbadores tipo parabolts. A ligação entre a fundação e a estrutura é feita com suportes de ancoragem. Na base dos painéis, antes da montagem, deve ser fixada uma manta asfáltica, que, além de evitar o contato direto com a umidade do piso, minimiza as pontes térmicas e acústicas.

3- Painéis

O conceito estrutural do sistema light steel framing é dividir as cargas em um número maior de elementos estruturais, sendo que cada um é projetado para receber uma pequena parcela de carga, o que possibilita a utilização de perfis conformados com chapas finas de aço. A modulação ou malha de distribuição desses perfis, usualmente, é de 400 mm ou 600 mm. 

Tanto a disposição dos montantes dentro da estrutura dos painéis como suas características geométricas, de resistência e sistema de fixação entre as peças, faz que este esteja apto a absorver e transmitir cargas verticais e horizontais. Os elementos estruturais mais utilizados para garantir a estabilidade estrutural dos painéis e, consecutivamente da edificação do sistema, são as fitas e placas de contraventamento e as linhas de bloqueadores. 

Externamente, os painéis podem ser fechados com placas cimentícias ou OSB. Independentemente do acabamento final, as placas de OSB devem ser protegidas externamente da umidade e da água, com uma manta ou membrana não tecido, formando uma barreira impermeável à água. Essas membranas, apesar da não obrigatoriedade, podem ser utilizadas em sistemas que usem placas cimentícias. Além dos materiais usados externamente, nas áreas internas também usualmente são usadas placas de gesso acartonado.

4- Isolamento térmico e acústico


Antes de se fechar o lado interno do painel, deve-se proceder à colocação do material de isolamento térmico e acústico. Hoje, com o avanço tecnológico dos produtos e processos de cálculo, consegue-se mensurar a real necessidade do isolamento e quantificar o material isolante necessário. Os materiais mais empregados são as mantas de lã de vidro ou de rocha.

5- Lajes

O conceito estrutural do sistema light steel framing, dividindo as cargas entre os perfis, também é utilizado para os elementos que suportam as lajes e coberturas. Seus elementos trabalham biapoiados e deverão, sempre que possível, transferir as cargas continuamente, ou seja, em elementos de transição até as fundações. 

Para o sistema, existem dois tipos distintos de laje, denominados de laje “seca” ou “úmida”. As lajes “secas” podem ser compostas por painéis de madeira (OSB ou outros) ou placas cimentícias, apoiadas sobre perfis metálicos estruturais (vigas de entrepiso). Já as “úmidas” são compostas por formas de aço (telhas galvanizadas) preenchidas com concreto e tela de reforço estrutural.

6- Cobertura

A cobertura pode ser calculada para suportar qualquer tipo de telha. Assim como os demais painéis, deve ser contraventada e bloqueada para suportar as cargas de vento. Havendo possibilidade, projeta-se a cobertura de forma que suas cargas sigam diretamente até a fundação, através de montantes. Ao contratar uma obra em LSF, o contratante deve prestar atenção principalmente aos seguintes aspectos: 

• É importante ter um contrato detalhado com o escopo da obra, responsabilidades da montadora, especificações e critérios de desempenho esperado da edificação, cronograma de obras com prazos de execução de cada etapa, relação de normas técnicas e outros regulamentos a serem observados; 

• A empresa montadora deverá manter um programa de garantia da qualidade para assegurar que seu trabalho esteja de acordo com as especificações das normas aplicáveis e com os Documentos Contratuais; 

• A Montadora deverá possuir qualificação e capacidade de executar a montagem das Estruturas LSF, devendo para isso fornecer equipamento, pessoal e supervisão proporcionais ao escopo, magnitude e qualidade exigíveis para cada obra; 

• Os produtos e materiais utilizados devem satisfazer aos requisitos estabelecidos no contrato; 

• Deve ser exigido da montadora um projeto detalhado, e a memória do cálculo estrutural,deve ser realizado por profissional habilitado e, no caso de estruturas maiores e mais complexas, deve-se exigir também um plano detalhado de montagem; 

• A elaboração do projeto executivo deve estar atrelada à compatibilização do projeto estrutural com o arquitetônico. Posteriormente, deve-se compatibilizar esses projetos com o de instalações, identificando, analisando e solucionando as interferências; 

• Elaborar projetos de vedações internas e externas atendendo ao projeto estrutural, já que é na estrutura que os componentes são fixados, compatibilizando-os e integrando-os com os outros subsistemas. A paginação dos componentes de fechamento deve otimizar a modulação vertical e horizontal; 

• Especificar e detalhar o tipo de juntas de união (aparente ou invisível) de dessolidarização e movimentação das placas de fechamento, incorporando sempre que necessário esses detalhes ao projeto de arquitetura; 

• Identificar e solucionar a interferência de pontos hidráulicos de pias, vasos sanitários, chuveiros, tanques e outros com a posição dos elementos estruturais, principalmente contraventamentos e montantes; 

• Especificar e detalhar o tipo de impermeabilização e revestimento de áreas molháveis e molhadas e o uso de materiais como piso box e outros; 

• Detalhar a interface painéis/esquadrias, caracterizando o tipo de material (alumínio, madeira, aço, PVC etc.), o modo de fixação, componentes de proteção dessas aberturas tais como peitoris, pingadeiras e alisares. Cuidados especiais devem ser tomados quando as Diretrizes de Projeto usam materiais metálicos como o alumínio, para isolar as esquadrias da estrutura, evitando dessa forma os pares galvânicos; 

• Dar preferência aos detalhes padronizados, que têm desempenho comprovado. Isso deve ser aplicado tanto ao detalhamento do projeto arquitetônico quanto ao projeto estrutural; 

• Definir projeto elétrico e luminotécnico para evitar interferência com a estrutura, como vigas de piso e montantes.

Logo abaixo temos também um manual em PDF com mais detalhes do sistema de montagem:



Assista também o vídeo abaixo para maior esclarecimento.


0 comentários :

Anterior Proxima Página inicial

Receba no seu e-mail!

Curta a página!